O Presidente ilegítimo Michel Temer editou Decreto acabando com a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), localizada nos estados do Amapá e Pará.

Esta reserva é maior do que o estado do Espírito Santo e na área existem outros minerais além do cobre. Lá existem ouro, ferro, manganês e tântalo, além de ser região de reservas indígenas.

O atual governo não tem legitimidade para adotar uma medida de tamanho impacto nas questões ambientais, econômicas e sociais do país. Muito menos, fazer isso através de decreto, sem debate com o Congresso Nacional e com a sociedade.

É mais uma ação que aumenta as suspeitas das verdadeiras razões que justificaram o golpe parlamentar e político de deposição da Presidenta Dilma Roussef e das tentativas de impedir Lula de novamente ser candidato a Presidente da República.

Os atuais governantes estão preparando a entrega do nosso país para os interesses estrangeiros.

O mais assustador é a conivência de parte da imprensa nacional em relação a este ataque. Salvo raras excessões, a maioria dos chamados articulistas dos grandes jornais e das redes de televisões, se omite.

Parte da intelectualidade brasileira e internacional já começa a se pronunciar!

E os parlamentares? Aqui, me refiro especialmente aos três Senadores eleitos pelo Distrito Federal Cristovam Buarque, Hélio José e Regufe. Eles têm obrigação de se mobilizarem para impedir este ato de entrega das riquezas minerais brasileiras para os interesses multinacionais. Os Senadores são representantes de toda a Federação e têm que agir neste assunto.

Esta é uma bandeira e uma causa nacional, que justifica que todos os brasileiros se mobilizem para revogar o decreto do Presidente ilegítimo.

Comentários

Comentários